Abertura e Encerramento das olimpíadas para recordação

24 de agosto de 2016












xx


Beleza, criatividade e muita emoção marcaram a abertura dos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Tudo equilibrado e lindo. Teve até espaço para textão com direito a puxão de orelha por conta da falta de “carinho” com o planeta. Impressionante como a comitiva – leia-se Fernando Meirelles, Daniella Thomas, Andrucha Waddington e Deborah Colker –  conseguiram sair da mesmice de forma elegante.  Um vídeo ao som de Aquele Abraço, de Gilberto Gil, interpretado por Luiz Melodia, foi o ponta-pé inicial. Paulinho da Viola – com toda a sua classe – tocou o Hino Brasileiro, num estilo sambinha – envolvedor! – ao mesmo tempo em que era hasteada a bandeira do Brasil, na presença de ex-atletas.

Maracanã todo iluminado. Fotos: AFP
Maracanã todo iluminado. Fotos: AFP
A primeira parte do espetáculo foi quase na sua totalidade projetada no palco – na verdade, um telão de LED – que lembrava o jardim de Burle Marx. Mudava ao longo de toda a apresentação: o início da vida com microorganismos e bactérias; formação das primeiras florestas; índios que representam o Festival de Parintins. 
rio5
rio2
As caravelas com os portugueses tiveram assinatura – claramente – de Deborah Colker. Outro momento marcante foi a chegada dos negros. Também houve destaque para presença dos árabes – sírios-libaneses – dos asiáticos. Sentimos falta dos italianos…
rio6
Até uma réplica do 14 bis voou para fora do Maracanã. No estádio, apareceu um vídeo com imagens aéreas do Rio, apresentando a Cidade Maravilhosa A-GO-RA, ao som de Samba do Avião, de Tom Jobim. Dava para escutar todo o estádio cantando junto. O neto do grande compositor Daniel Jobim tocou no piano, Garota de Ipanema, dando o tom para a ubermodel Gisele Bundchen, desfilar na sua maior passarela: 128 metros.  
Gisele, sempre bela
Gisele, sempre bela
Regina Casé foi a mestre de cerimônia do segundo módulo, trazendo a bandeira da miscigenação ao som do País Tropical, de Jorge Ben Jor, transformando o palco num grande bailão. Foram mil e quinhentos bailarinos . No final, o público continuou cantando à capela… Lindo… Nunca tinha acontecido algo assim em nenhuma outra abertura dos Jogos Olímpicos, mostrando o verdadeiro espírito da festa.
Também teve o momento “fala sério”, a mensagem sobre o aquecimento global e a importância da preservação. Judi Dench e Fernanda Montenegro declamaram trechos de poema de Carlos Drummond de Andrade. Antes da apresentação da chamada dos atletas, foi avisado que cerca de 11 mil mudas de plantas nativas serão entregues aos atletas participantes para criar, daqui a um ano, as Florestas dos Atletas.

rio1
rio2
Após a apresentação das 207 delegações – ver Yane dançando frevo como porta-bandeira não teve preço!!! – discursos e a apoteose. Uma homenagem aos mestres sambistas e Samba de Prata, de João Gilberto, na voz de Caetano Veloso, Anitta e Gilberto Gil. “Razaram!”. Guga e Hortência levaram a tocha olímpica para  Vanderlei Cordeiro de Lima acender a pira. Sim, a pira virou um sol, numa escultura cinética de Anthony Howe.
rio3
rio4
Ao fim de tudo, o estádio cantava uníssono: “sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor”. Simplesmente, sem palavras…

0 comentários:

Postar um comentário